breaking news

As refeições na Escola Pública II e a falta de Respostas do Ministério da Educação

Novembro 6, 2017 | by TVL
As refeições na Escola Pública II e a falta de Respostas do Ministério da Educação
GLX
0

Recebemos da FERLAP – Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais, o seguinte Comunicado de Imprensa:

As refeições na Escola Pública II
No passado dia 9 de Outubro trouxemos à discussão pública um tema que já se vem arrastando há tempo demasiado sem qualquer solução à vista. As queixas continuam a chegar, por não as conseguirmos colocar todas aqui, podem consultar as que os pais vão publicando em, entre outros, https://www.facebook.com/ferlap.pt/.
O Ministério da Educação divulgou que “apenas” tinham sido feitas 70 reclamações sobre as refeições escolares. Desde que lançámos a ideia da utilização do Livro de Reclamações das Escolas, para reclamar da Qualidade e Quantidade das refeições, sabemos que, mesmo enfrentado o receio de “represálias” sobre os Alunos, já mais “algumas” reclamações foram feitas por este meio. Portanto, neste momento, já não são “apenas” 70, as reclamações que o Ministério da Educação tem entre mãos.
Infelizmente, como vem sendo prática dos vários Ministros da Educação, até ao momento, não recebemos do Ministério da Educação qualquer resposta aos ofícios enviados, provavelmente o Senhor Ministro entende que uma Federação que representa mais de 50% das Associações de Pais de Portugal e cuja Região abrange uma população de mais de 2.600.000 habitantes, alguns dos quais são Alunos, não merece resposta sobre um assunto tão importante como é a Alimentação dos Alunos e que se revelou já, ser em alguns casos, um problema de saúde pública. Não havendo resposta da parte do senhor Ministro da Educação, temos vindo a aperceber-nos, por parte de quem tem o DEVER de proteger os nossos filhos, de práticas inconcebíveis em Democracia que passam, entre outras, pela intimidação, através dos mais variados meios, de Alunos e Pais, visando impedir a utilização das fotografias que provam o que todos sabemos há muito tempo, bem como pela resistência à entrega do Livro de Reclamações. Quanto às Câmaras Municipais, assistimos à, sua, tentativa de desresponsabilização, quando tentam fazer passar a ideia de que nas Escolas 2/3 e Secundárias a competência em matéria de contratação não é sua. Não deixa no entanto de ser sua, a responsabilidade de defender os seus Munícipes, principalmente quando eles não se conseguem defender por si e quando fazem por inerência parte dos Conselhos Gerais dos Agrupamentos de Escolas ou das Escolas não Agrupadas. Recebemos de uma Câmara Municipal, em resposta a um nosso ofício, através do seu Departamento de Educação, não da Senhora Presidente da Câmara, a quem o ofício foi dirigido, a afirmação de que depositam total confiança em quem dirige as Escolas, isto, mesmo quando a comida não é de Qualidade nem suficiente e chegam ao ponto de, para branquear a situação, ameaçarem os Alunos pela utilização dos telemóveis para documentar a falta de Qualidade e Quantidade da comida.
Por outro lado, tivemos conhecimento de que três Grupos Parlamentares fizeram perguntas ao Governo sobre a Qualidade e Quantidade das Refeições Escolares, o PCP e o CDS-PP que nos fizeram chegar a informação formalmente e o Bloco de Esquerda que tivemos conhecimento de forma informal. Dos Grupos Parlamentares do PSD, PS, PV e PAN ainda não tivemos conhecimento de qualquer iniciativa no sentido da resolução deste GRAVE problema, queremos acreditar que
também estarão a desenvolver esforços nesse sentido, no entanto, não temos conhecimento que tal tenha acontecido.
Soubemos ainda que, a utilização do Livro de Reclamações das Escolas, começou a dar os seus frutos no sentido da melhoria. É uma ferramenta que permite o contacto directo com os responsáveis pela Educação em Portugal e evita o “não temos conhecimento” tão comummente utilizado para explicar o alheamento, de quem de direito, dos problemas que as Escolas enfrentam no dia-a-dia.

Por fim, porque pensamos ser muito importante, queremos informar publicamente que a FERLAP – Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais, se demarca claramente da Petição Publica “Pela defesa de refeições escolares de
qualidade em Portugal” da autoria do senhor Vereador Frederico Pinho de Almeida, da Câmara Municipal de Cascais. Não pelo título, mas pelo conteúdo. O título tem tudo a ver com o que defendemos, no entanto, o conteúdo não nos parece que vá nesse sentido. Entendemos que o conteúdo desta petição não contribui para resolver o problema da Alimentação Escolar em Portugal, mas que, pelo contrário, vem apenas alterar o paradigma. Não nos parece que a solução passe pela alteração dos prestadores do serviço, sejam eles empresas ou IPSS’s, principalmente quando o
argumento principal para justificar a falta de Qualidade e Quantidade, passa pelos “baixos” valores pagos (1,08€ por refeição, parece pouco, mas quando multiplicado por 47,5 milhões de refeições perfaz um valor de 51,3 milhões de euros, o que provavelmente já não será assim tão pouco) às empresas prestadoras dos serviços. Por outro lado, entendemos que numa primeira fase e enquanto os contratos estiverem em execução, a solução passa pela fiscalização eficaz do serviço prestado e pela aplicação das penalizações previstas em caso de incumprimento. Passa ainda pela
responsabilização efectiva de quem deve fiscalizar a Qualidade e a Quantidade das refeições servidas nas cantinas escolares. Numa segunda fase, entendemos que deverão as refeições escolares ser confeccionadas nas Escolas por pessoal pertencente aos Quadros das mesmas.

Para terminar é importante saber que, os pais não podem deixar a responsabilidade da promoção da escola de qualidade, que pretendemos para os nossos filhos, exclusivamente, na boa vontade dos funcionários do estado.
O FUTURO DO NOSSO PAÍS, ESTÁ NA EDUCAÇÃO DOS NOSSOS FILHOS.
Isidoro Roque
Presidente CE

Comments are closed.